Loja Tupiguá tem mais de 700 produtos artesanais à venda no Mercado Central

Jornal Hoje em dia (link original)

A loja Tupiguá bate a marca de 700 produtos de diferentes regiões de Minas Gerais à disposição dos frequentadores do Mercado Central, ícone da capital mineira.
Na Tupiguá são comercializados queijos, cachaças, doces e cafés. Tudo vem de produtores artesanais mineiros.

O entreposto é administrado pela família Cócolo há quase 10 anos. Nesse período, a inovação também conquistou o freguês. Além da loja física, os produtos são vendidos pela internet.

A loja abriu as portas em 1972, e a família Cócolo adquiriu a marca em 2008. De lá para cá, várias foram as mudanças implementadas. A primeira delas, e uma das principais, foi uma modificação na distribuição do mobiliário da loja.

“Era uma queijaria bem pequenininha, bem simples. Com o tempo, minha mãe foi modificando, com novas ideias. Fomos a primeira queijaria a abrir o balcão para o freguês entrar. Algumas ainda são fechadas, mas as mais novas já acompanham o nosso estilo. Depois, abrimos a loja ao lado, aí inovamos com a cachaçaria. Não tem nenhuma outra que se compara. A nossa loja é única e a mais completa em Minas Gerais, com queijo, doce, cachaça, café artesanal, ou seja, tudo o que o mineiro gosta”, enfatiza Ana Gabriela Cócolo, filha de Depenido Cócolo e Tânia Maria. Juntos, eles administram a loja.
Ana Gabriela enfatiza que a Tupiguá valoriza a produção artesanal e que há produtos de todos os lugares do Estado, inclusive os pequenos e ainda pouco conhecidos, mas que têm mercadorias de ótima qualidade.

A forma como é vendido o queijo, e os tipos do laticínio, mudaram com a entrada da família Cócolo no Mercado Central. Anteriormente, a imensa maioria dos queijos vendidos no local eram frescos. A partir de 2012, a Tupiguá começou a vender queijos maturados, mais encorpados.

Hoje, no armário onde fica acondicionado o produto é possível encontrar representantes de todo o Estado, principalmente das regiões do Serro, Vertentes, Canastra, Cerrado, Salitre, Triângulo Mineiro e Araxá. São, em média, 40 fornecedores diferentes.

A loja foi adquirida pelos pais de Ana Gabriela, em 2008, mas ela só entrou no negócio em abril de 2010. E foi com a chegada dela que o leque de mercadorias ampliou ainda mais, principalmente com o início da venda da cachaça.
“Minha mãe, com o estilo dela, fez tudo em madeira de demolição, móveis personalizados. Hoje, temos 400 rótulos de Minas Gerais. Não tem cachaça do país inteiro, mas de Minas é a loja que mais tem rótulo diferente. Temos cachaças sofisticadas, estilizadas. Tem muita cachaça que ninguém tem, que é bem exclusiva”, garante Ana Gabriela.
Ela enfatiza que alguns clientes ficam com receio de entrar e pagar mais caro. Mas a comerciante garante que os preços são competitivos.

Doces
Na Tupiguá há cerca de 200 tipos de doces caseiros e geleias, mas um dos mais clássicos é ainda o que tem mais destaque: a goiabada cascão, vendida em uma barra de 15 quilos, envolta em folha de bananeira e fabricada na fazenda da avó de Ana Gabriela, em Cristiano Otoni, na região Central do Estado. São mais de 15 tipos de compotas à disposição do cliente. Além das guloseimas feitas por Dona Ana e Seu Arnaldo, há também marcas tradicionais como aquelas que produzem os doces de Araxá e o Sabores do Grama.

O café é o item mais recente no mix, e já começou com representantes de seis regiões de Minas: Cerrado, Caparaó, Matas de Minas, Sul de Minas, Mantiqueira, Alta Mogiana (Triângulo Mineiro, divisa com São Paulo).

2 thoughts on “Loja Tupiguá tem mais de 700 produtos artesanais à venda no Mercado Central

  1. Alexandre Delduque Cordeiro says:

    Estive na Tupiguá em 2017 e fiquei bastante satisfeito com os produtos adquiridos, em especial a cachaça Taverna de Minas Clássica Jequitibá. Entretanto, para minha tristeza, não encontrei a loja no mesmo espaço em maio do ano passado. Vocês mudaram de endereço?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Atendimento Tupiguá
Enviar WhatsApp