Do tempo ao queijo, sua história no mundo, a gênese!

De tempos remotos desde a época bíblica escrita por Moisés já se tinha registro dessa forma consistente e compacta da massa talhada consumida com sal e que chamavam de queijo, foi assim de tempos em tempos há mais de 10mil anos que surgiram os primeiros registros desse notório e tão conceituado alimento,  que trouxe através de milênios um modo de nutrir com sabor e muita facilidade tantas gerações.

 

Pela EPAMIG-MG, ficou registrada a história tão inusitada do árabe nômade que atravessou a Ásia por montanhas e desertos, esse nômade chamado Kanana, tinha fome e na sua bagagem tinha tâmaras secas muito comum na época e também um cantil feito do bucho de carneiro provido de leite de cabra, também muito usual naquele tempo, o curioso foi que ao puxar o leite para beber desceu um líquido denso e amarelado, um soro, muito intrigado Kanana rasgou o cantil e descobriu uma massa talhada dentro do bucho, dali ele repassou a boa nova   e hoje sabe se que as enzimas presentes no bucho do carneiro junto ao balanço da caminhada foram o suficiente para coalhar a massa, essa passagem sem muita marcação foi registrada entre 6500-5000 AC.

 

Já mais adiante teve-se vários registros do domínio egípcio na produção de leite e feitio de derivados, como coalhada, manteigas, queijos, isso porque além de relatos de histórias como os banhos em leite das rainhas dos Impérios da época, muitas tumbas de faraó recentemente descobertas foram estudadas e inclusive em alguns talhos de barro achou se presença mumificada de leite e queijo. Diversas foram as histórias da época o que marcou os egípcios nessa relação próxima com o leite foi que o Vale do Rio Nilo era muito fértil e acolhia bem a criação de rebanhos, principalmente bovinos, raça tão cultuada e respeitada por esse povo a ponto deles terem como imagem os chifres de boi na Deusa Rathor.

 

Esse época em torno de mil anos antes de Cristo, demarcou bem uma nova etapa para a produção do leite, pois como os egípcios começaram a dominar a criação de rebanhos dali foi marcada a época de domínio da ordenha que trouxe dois marcos um que o povo começou a parar e formar aldeias, e outra que houve um consumo maior de produtos vindos de leites ordenados de diferentes tipos de animais como, vaca, cabra, ovelha, até ilhama, e camelas.

 

Temos muitas histórias dessa gênese queijeira muitos relatos históricos!

 

Quem é ligado a cultura Grega falar de Hipócrates,  o pai da medicina um dos mais antigos apreciadores do leite e seus derivados e já naquele tempo fazia terapias medicinais com leite como tônicos para fortalecer,  indicava copo de leite cru para tratamento anti envenenamento e já tinha como certeza que o leite tinha que ser consumido pelos que tinham resistência para o alimento,  ele observou que muitos eram fracos ao leite e tinham febre e diarréias no consumo,  assim Hipócrates já sabia o que hoje é muito usual que é  a dieta com restrição de leite e queijo, surgia aí a ideia de intolerância à lactose. Os gregos sempre consumiram  muito leite principalmente de cabra e ovelha e sempre gostaram das diversidades que o leite oferece, consumiam muita coalhada e queijos moles como até hoje, os gregos ainda são até hoje os maiores consumidores de queijo por pessoa do mundo!

 

Falamos de muita história da antiguidade clássica,  num próximo post sobre história do queijo vou falar do queijo na Idade Média e a chegada ao Brasil.

 

Deleitar com queijo e leite é uma cultura milenar e devemos nos conceder sabedoria de está sempre experimentando novas opções já que o mundo nos oferece tanta diversidade desse alimento nobre, simples e milenar.

 

By Ana Gabriela da tupiguá mercado Central de BH e especialista nessa iguaria Jurada do queijo minas artesanal em todo Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.